top of page

Saumit's Cloud Diary Group

Public·28 members
Theodore Cruz
Theodore Cruz

Conquistar A Un Duque Lenora Bell Pdf



5 guas viperinas y miradas de Medusa. Pueden convertir a un hombre en piedra por echar un vistazo a otra dama. Te lo advierto, no es divertido. Ni por asomo. El anfitrión se encogió de hombros. En realidad, son sus padres quienes me interesan. Cumberford asegura que estos son los hombres más influyentes con hijas refinadas en edad casadera. Ajá! Dalton asió a James por el pañuelo. Si quieres llegar a los padres, entonces invítalos a ellos. Les ofreceremos tu brandy exquisito y negociaremos como caballeros. Ni siquiera tendrás que conocer a las hijas hasta el día de la boda. James sacudió la cabeza. Quiero escoger a mi esposa. Necesito una socia sensata para mis negocios. Alguien cortés, elegante, de moral intachable... Todo aquello que yo estoy lejos de ser. Entonces te deseo lo mejor. Cuándo te has convertido en un cínico? En la escuela siempre te deshacías en elogios a la belleza y las apariencias. La vida. Dalton blandió el cuchillo. La vida me ha cambiado, viejo amigo. Me he llevado demasiadas decepciones como para enumerarlas. Estás seguro de que no quieres reconsiderarlo? Imposible. Ya sabes lo que hay en juego. Lo sé, lo sé. Esbozó una mueca irónica. Debes engendrar un heredero. Preservar el legado Harland. Abrir tu querida fábrica. Y demás sandeces. Una responsabilidad atroz, en mi opinión. No es que me agrade más que a ti. El matrimonio es lo último que quiero. No necesito más complicaciones. 10 T-Conquistar a un duque.indd 10 27/5/21 14:38




Conquistar A Un Duque Lenora Bell pdf



11 Lenora Bell Esvaziou a garrafa de brande e ergueu o copo para os olhos inocentes e sorriso beatífico de lady Dorothea. Teria de ser o raio de uma santa para casar com uma pessoa como ele. Nalgumas noites, Charlene Beckett não sentia vontade de ser uma santa. Quando as costas lhe doíam e os dedos estavam vermelhos e esfolados das lavagens. Quando a cabeça latejava de fitar os números que nunca pareciam somar o que elas precisavam. Nalgumas noites era difícil sorrir, consolar, ser forte. Esta era uma dessas noites. Cada passada se arrastava, mais pesada do que a anterior, enquanto subia as escadas para o seu quarto. Só lhe apetecia rastejar até à cama e puxar as cobertas por cima da cabeça. Suprimir os sons que se escapavam lá de cima cá para baixo. Risadinhas suaves. Vozes masculinas jactantes. Um piano a retinir. Enfaixada em veludo e plumas de cor rosa, a nadar em láudano para suprimir a tosse que piorava todos os dias, a mãe estava a receber lá em cima na sua discreta casa de tolerância conhecida como Pluma Rosa. Charlene apoiou-se à parede por um instante. O som da mãe a tossir fê-la estremecer. No dia seguinte descobriria uma forma de convencer a mãe a parar de trabalhar. Hoje precisava de dormir. A porta do quarto estava entreaberta. Lulu? perguntou quando abriu a porta, a pensar que a irmã mais nova pudesse estar à espera dela. Um nariz aquilino por cima de um plastrão branco brilhante emergiu da escuridão. O coração de Charlene contraiu-se. O momento que temia há mais de um ano chegara por fim. Esta noite não. Por favor, esta noite não. Tenho estado à sua espera, passarinho lindo. Lorde Grant ergueu- -se do cadeirão perto da janela. 16 conquistar um duque_3as.indd 16 02/02/18 17:08


12 Conquistar Um Duque Lorde Grant. Conseguiu manter a voz calma apesar do pânico que sentia a apertar-lhe a garganta. Não estávamos à sua espera senão daqui a vários meses. Podia lá agora deixar o meu rebanho sozinho durante tanto tempo? Avançou para a luz da lamparina e Charlene engoliu a sua repulsa. Ele descalçou as luvas de pelica cinzentas e pousou-as em cima da mesa. Passou uma das mãos pelo cabelo castanho ondulado, carregado de brilhantina a cheirar a laranja. Poderia ter sido formoso, se ela não conhecesse o laivo profundo de crueldade sob a fachada civilizada. O olhar avaliador de Grant varreu-lhe o corpo. Ainda bela, estou a ver, mesmo nesse vestido desenxabido. Charlene abriu mais a porta, perscrutando o corredor à procura de qualquer movimento. Estavam sozinhos. Conseguiu evitar retrair-se quando ele se aproximou. O dedo dele roçou-lhe a face. Sonhei com este momento. Charlene também. Só que, nos seus sonhos, era dia, havia luz e ela ardia com ódio acerado suficiente para vencer daquele medo sufocante. Precisamos de mais tempo disse. Mais tempo? Ele prendeu-lhe o queixo com a palma da mão. Não entendo. Para obter os fundos. Precisamos de mais tempo. A mãe de Charlene, conhecida como madame Swan, abrira a exclusiva casa de tolerância com os presentes de um benfeitor agradecido, mas tinha um coração demasiado mole para aquele negócio. A maior parte do lucro ia para as empregadas. Aceitara um empréstimo de lorde Grant, um cliente frequente, e agora ele viera cobrar. Lorde Grant riu-se e envolveu as faces de Charlene com as mãos. Ela rodou a cabeça para se afastar, mas ele voltou a empurrá-la para o mesmo sítio. As unhas dele eram meias luas brancas, polidas para brilharem. Não era homem do género de sujar as mãos. Ela estava surpreendida por ele não ter trazido um dos seus guardas para a subjugar caso ela se revelasse problemática. O que iria acontecer. 17 conquistar um duque_3as.indd 17 02/02/18 17:08 041b061a72


About

Welcome to the group! You can connect with other members, ge...

Members

bottom of page